terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Das alianças






O amor mais contundente é o que não precisa ser visto para existir. 
E continuará sendo feito apesar de não ser reparado. 
O amor real é secreto.
 É conservar um pouco de amor platônico dentro do amor correspondido.
 É reservar as gavetas do armário mais acessíveis para as roupas dela, é deixar que sua mulher tome a última fatia da pizza que você mais gosta, é separar as roupas de noite para não acordá-la de manhã. 
E nunca falar que isso aconteceu. 
E não jogar na cara qualquer ação. 
E não se vangloriar das próprias delicadezas.
 Buscá-la no trabalho é o equivalente a oferecer um par de brilhantes. 
Esperá-la com comida pronta é o equivalente a acolhê-la com um buquê de rosas vermelhas. 
São demonstrações sutis, que não dá para contar para os outros, mas que contam muito na hora de acordar para enfrentar a vida.




Fabrício Carpinejar