quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Perder é fundamental



Desde então, entendi que não existe vida se não houver a chance real de fracassar, que o fracasso é como a demissão e a fossa – inevitável para fins de enobrecimento de caráter –, que o caminho para nossa própria verdade passa obrigatoriamente pela dor, que vencer é delicioso mas perder é fundamental, e que reside justamente nessas experiências a beleza de toda a jornada humana.

Volta e meia, ainda vejo o Sr. Medo ziguezagueando por aí em garupas de motocicletas apressadas. É o mesmo de antes, mas já não está mais em terno nem usa cartola. Agora, barbudo e cabeludo, anda de bermuda, camiseta e chinelo – depois de me tornar quem era, o Sr. Medo transformou-se em alguém com quem posso tomar uma cerveja no fim de uma tarde de verão.

Nessas ocasiões, ele fica ali me olhando e sorrindo, mas agora, em vez de apavorar, apenas desafia. Porque, como ele mesmo gosta de dizer antes de dar mais um gole na cerveja gelada, não existe vida que valha ser vivida sem a real possibilidade de fracassar estrondosamente. E, diante disso, só nos resta aceitar o frio na barriga e reconhecer aqueles breves clarões de emoção que costumam aparecer no meio de uma quarta-feira qualquer – é nessas fendas temporais que se esconde a tal da felicidade.





Milly Lacombe