quarta-feira, 6 de julho de 2011

O amor que eu tenho por você é seu...

...






Quanto tempo é permitido sofrer? Qual é o prazo socialmente aceitável?

Não estou falando do let go. O let go já veio. Eu já entendi que nem sempre a gente consegue manter por perto aqueles de quem a gente gosta. Que as perdas existem, e o tempoa piora quando  aumenta ou diminui a saudade...

Estou falando de dias como esses...Dias como esse que eu não durmo, porque a saudade me deixa louca, vulnerável, perdida e sem razão...
Desses dias que a dor é de uma perplexidade monstruosa e eu preciso ver você e todas ás vezes em que eu me deparo com sua fotografia, eu sinto como se tivessem enfiando uma faca no meu coração e arrancando você de mim e me sinto muito triste e fico muito decepcionada comigo mesma por ainda sentir essa dor como na noite em que o médico veio até a minha cadeira na sala de espera e disse que você não voltava mais...
È a mesma dor de quando olhei para o meu pai e menti dizendo que você tava bem e que nós dois precisávamos ir p casa e só voltarmos pela manhã...
È a mesma dor que me leva a esconder essa mesma dor pra protegê-lo de sentir ainda mais dor em não ter você...
De todas as perdas em minha vida, passadas e futuras, você é a única que eu não queria viver ...
Tomara que meus irmãos não leiam esse post e se acaso isso aconteça eu queria pedir desculpas de novo...É que tem dias que só escrevendo alivia...
Eu ainda choro todas as noites antes de dormir e ainda rezo a Deus p ver você nos meus sonhos ...
Eu ainda procuro você aqui na sala ...
Eu ainda cheiro o seu perfume quase todos os dias...
Eu tirei o meu retrato enorme que você colocou na parede da sala, porque ele só refletia você...
Eu estou tentando mãe eu juro...
A dor da sua falta é tudo o que ainda me bloqueia e me angustia...
Naõ sei quando isso vai passar ou amenizar...Mas não é todos os dias assim...
Geralmente é quando eu tenho coisas boas p contar ou quando Deus coloca na minha vida pessoas com olhares iguais aos seus...

É essa saudade que me toma de assalto ...E eu tento respirar e não dá tempo ...Pq eu morro de novo e de novo...

Foi esse impulso inconsciente de te chamar ainda agora ...
São as lembranças da sua alegria ainda tão vivas...
É que eu não posso ficar engasgada segurando essa dor...
Porque eu sei que amanhã voltarei a ser a sua menina ...
A sua menina com o sorriso fácil e a ironia aguda de quem você sempre se orgulhou...

Eu te amo mãe com tudo que me constitui e da forma mais plena como você me ensinou a amar...

Esse amor que você me deu é todo seu...