terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Os caras, as amizades e os anjos







O ambulante corre no meio dos carros e em um segundo ele joga as garrafas d'agua no isopor e retorna as pipocas rosa para o saco, ajeita o cabelo inexistente, tira o boné, gruda na janela do ônibus, dá aquele tapa típico de homens quando se cumprimentam e abre um sorriso encantador.
O semáforo fica verde, os dois permanecem conversando, o sorriso deles e a magia do encontro é proporcional aos gritos dos passageiros estressados pq o motorista ainda não acelerou...


Eu olho para o rosto do vendedor e agradeço a Deus por ser contaminada por aquele sorriso ( um dos sorrisos mais genuínos do qual me lembro), agradeço a Deus por ser capaz de sentir uma emoção tão duradoura que  teve a capacidade de iluminar o meu finzinho de tarde até agora...


E sem o menor esforço eu continuo sorrindo e pedindo a todos os anjos que os iluminem todos os dias e que seus sorrisos permaneçam mesmo nesse calor, nesse trânsito, nos semáforos, nas reposições de gelo seco, nos fiscais covardes, nos passageiros apressados, nas impaciências de seres tão,  tão primitivos...




Se isso não é amizade o que mais pode ser?