quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

♪ O apego não quer ir embora, diacho, ele tem que querer ♪





Mãe,

Resolvi  te escrever novamente. 
Você tem feito muita falta nesses dias. Olha, Seu Biroba vai casar. Ele conheceu essa menina através do trabalho lá no carnaval, o nome dela é Sarah e nós conhecemos a sua família e amamos  todos...
Papai está bem, acho que está se saindo bem nessa  tentativa de  administrar ainda a sua falta. Eu já imaginava q ele soubesse lidar  com partidas, mas, ainda vejo uma certa fragilidade.Não sei o que vou dar aos noivos. Se pudesse anteciparia a cerimônia.  
Não agüento mais andar de ônibus por aqui. Essa cidade está insuportável.
Belo trabalho a senhora fez, deixou o pior e o melhor da sua pessoa em mim pra agora. Mamãe, tenho feito conquistas tão grande nos últimos tempos. 
Você falava tão pouco dos seus sonhos, queria saber como iria se comportar ao me ver crescendo. 
Tenho exercitado mais controlar as minhas vontades, mas ainda prefiro menos eu te amo e mais ação. 
Abro uma exceção pras suas declarações cheias de afeto.
Eliete sempre fala em você e eu seguro o choro sempre. 
Sinto muita falta de fazer diferença na vida de alguém, interprete esta frase do jeito que quiser, com a amplitude que ela tem. 
Se vc tivesse aqui  brigaria comigo, Minha alimentação está de mau a pior...Desaprendi a comer desde que você se foi e nada mais tem o mesmo gosto de antes...
Tenho assitido novelas ( mexicanas) daquelas que você gostava tanto.... O gene noveleiro me pegou firme e forte, mas, continuo lendo muito ultimamente, Julia e Isabela já estão enormes. 
Os choros diários continuam, mas minha fé sofreu mudanças fundamentais. 
Sou uma mulher, mãe. 
Não gosto mais que ninguém me chamem de Fatinha, não aturo mais aqueles olhares piedosos para a mocinha calada de sorriso aberto.
Lembra quando dispensei o R. por causa daquela besteira impublicável? Continuo do mesmo jeito, só que as exigências são as mais malucas possíveis. 
Se o cara não gostar de livros e não gostar de ler mando passear. Ando com preguiça de pessoas.
Sinto seu pior e seu melhor em mim. Seu humor, seus silêncios. Recusar pra não magoar. Que saudade, mãe.
O telefone tá tocando, adoraria que fosse com a sua ligação pedindo pra ir com você ao Shopping comprar uma bolsa... 
Sempre tive vontade de chamá-la de mamãe, mas pensava assim: Ah, qd eu estiver mais velha eu chamo...

Não deu né?

Mamãe...


Sinto tanto a sua falta ...

O Meu amor por você é  incrível...