terça-feira, 30 de novembro de 2010

Mais uma de amor...



Ela me conhece...

Eu a conheço...

A ponto de eu comentar alguma coisa e ela já vir com aquele sorrisinho pequeno, olhando pra baixo e logo depois nos meus olhos,rabiscando  as mãos sobre a mesa ou a  cama em que provavelmente estamos sentadas comendo alguma porcaria... Toda essa encenação pra soltar um doído "ai irmã ...consigo crescer não... vou te falar uma coisa...". Pronto... Já é certo que vou rir dos seus dramas ... e vou dar um puxão de orelha...porque ela dá importância a loucura das pessoas...e eu vou achar banal... e  simplesmente olho para os seus olhos e vejo o quanto ela é cega diante da sua maioridade....
Eu  conto segredos ... Uns bem cabeludos, outros que a faz gargalhar por dias... Sempre em algum lugar onde transformamos de nosso... haja pastel, caipirinha, cerveja, Bacardi de maçã,filmes... quilômetros de conversa. Se somarmos todas as horas que nós gastamos juntas nessas situações somaria uns 5 anos....pq hj é mais raro...ela cresceu sim apesar de não admitir ...tem filho,marido  e uma casa linda p cuidar....
 Nos conhecemos qd tínhamos 11 anos... e nunca mais  ng me compreendeu como ela...E tudo aconteceu em meio a uma disputa ( como as pessoas teimam em competir...ela sacou logo q não suporto competição...) porque eu ganhei um concurso de poesia na escola e tds falavam muito de mim... Quem era aquela baixotinha invocada que ria da cara de alguém tão mais... mais... alta que ela? Uma semana depois estávamos na minha casa ou na sua...o cenário p td a nossa adolescência... não fazíamos trabalho em casa ...em nenhum lugar...nunca precisamos de esforços...e éramos as melhores sempre ( vá entender) juntas e comendo (claro)  a comida da D Nádia.... O que mais a gente podia querer da vida? Ah, sim, um namorado.
E tivemos. Muitos. Namoros longos e curtos, bons e outros nem tanto. Ruins e outros piores ainda.
 E quando ela conhecia alguém interessante ou acontece algo muito fantástico (às vezes nem chega a tanto) ela chegava “ ai irmã”......" e soltamos nossas gargalhadas ... a dela é uma das mais deliciosas que eu já ouvi na vida. Daí eu já sei.
Mas o que me deixa feliz é o fato de termos cabeças completamente diferentes ( as vzs) e mesmo assim, ficar tão à vontade ao lado de uma das raras pessoas pra quem eu dispenso qualquer defesa. E isso acontece desde quando ela tinha o quarto cheio de caixas do Habibs...ela sempre amou caixas... e eu do Mickey ...minha gde paixão...a diferença é q as suas  caixas causou incentivo as suas criações e já a vejo ganhando muita ...muita grana devido a sua sensibilidade...fico pensando ás vzs na inversão de papéis na nossa história...eu era a super sensível...hj sou a razão...
E eu sempre a conheci assim, sempre com travas na língua e tão doce quanto forte, com toques de fragilidade extrema e um estranho hábito de não  comer feijão,nem leite.. .
Convivi com a menina que me fazia rir na na aula e desconcentrava tds ao nosso redor ...os professores suspendiam as arguições e íamos direto p diretoria....
Convivi com a adolescente que resolveu se casar com o nosso amigo do ginásio ( q sempre foi apaixonado por ela) e se meteu em Manaus por 5 anos.... e   ficávamos no msn chorando de tanta dor devido a sdde...
 Convivi com a pequenininha-grande mulher que ela é hoje, que trabalha duro, ama o que faz e está se preparando pra ter sua própria empresa...





Ela sabe da minha vida.
 E eu sei a dela.
E é isso que me faz olhar o porta-retratos das nossas vidas e me enxer de orgulho por termos dividido tantos anos...
E hoje, é o que me enche o coração de saudade e de vontade de voltar correndo tds as vzs q desço aquelas escadas e a deixo lá no seu mundo perfeito.... Ou melhor, voando, só pra ficarmos deitadas na grama do jardim, olhando pro céu, e lembrar que até o mais profundo silêncio pode dizer muito quando ele está entre  as duas  verdadeiras amigas.
Te amo tanto ...um amor q me fortalece...me reorganiza...me orienta...
Minha irmã tão pequenininha...