domingo, 14 de novembro de 2010

Mas vai ser sempre difícil assim? Eu vou ter sempre que acabar chorando que nem uma ranhenta imbecil? – Ela perguntou, aquele triste vazio.




- Difícil sempre é. – Respondeu a outra, meio que entendendo o que a menina perguntava. Seus olhos pintados já meio borrados nos cantos internos portavam engraçadas remelas de lápis preto exatamente simétricas.



- Eu sei que é difícil, mas eu digo, vai ser sempre esse azar, esses amarguinhos ao final de qualquer coisa?



- Não vai. Eventualmente se dá sorte, querida.



- Mesmo, mesmo? Promete? Tem que prometer, senão eu não vou acreditar.



- Eu prometo. Um dia chega alguém que te leve ao cinema para ver o filme e o filme apenas, mas que depois te beije a face molhada pelas lágrimas meio infantis porém sinceras que, depois de um tempo, descobrirá que você chora ao término de qualquer filme...
Que goste de comida japonesa e que divida as tarefas na cozinha, sem, porém, lhe tirar o crédito de cozinheira orgulhosa... Quem fez foi sempre você...
 Que vá achar engraçado você sempre ter um conselho de remédio para toda a dor muscular, mas vai preferir suas massagens”...
 E vai respeitar a regra de que se só se dorme abraçado por quinze minutos, que passando disso é demais e você não dorme.
Que vai dizer te beijar te dando boa noite e dizer q te ama mais...



- E o que mais?



- Ele vai respeitar os seus horários caóticos... Não é importante? – Ela falou, piscando, simpática
 – Mas não pense que não haverá briga...
 Vocês vão brigar, você vai chorar chorar chorar e gritar, dizer que ele não te ama, que você vai quebrar toda aquela casa e que vai botar fora tudo o que é dele, mas depois, depois vai melhorar...
 E ele te beija novamente e diz “ok, ok, não precisa tanto, não chora, vem cá, a gente pode solucionar isso de outro jeito, calma, calma”, conciliador, um ABSOLUTO cavalheiro, e você vai sorrir apenas, ainda fungando, olhos vermelhos, e dizer “é, é, a gente pode conversar sem se exaltar, né?”...
 E vai ficar tudo bem de novo.



- Jura?



- Juro.



- Então tá – aceitou decidida, expressão já sonhadora.
 O futuro definitivamente era bonito...



As duas meninas podiam ser a mesma, mas precisavam uma da outra para se manterem aprumadas.
 A vida não é fácil quando não se conversa um pouco consigo.

Daí q a gente almoçou junto...e falamos tudo um do outro...e q td foi revelado...rápido,necessário...e q ele está tendo o maiorcuidadodomundoporquesabeoquantosofrieoquantosouescorregadia...e dái é q surgiram borboletas no meu estômago...há quanto tempo elas não apareciam...borboletas e elevadores...e daí q não tive assunto...e q fiquei muito nervosa...e q ele sabia meu nome...e sabia q eu não tenho namorado...e notou q eu não quis comer o frango pq estava cru...e q quis buscar outro frango p mim...q recusei claro...queria ele ali bem perto...e não queria dar trabalho...e daí tb q ele reparou q nunca bebo nada...e q me ver em tds  os lugares q estou...e q tenta me dar carona...mas eu nunca olho qd ele buzina...e daí q pode não ser nada ...e daí q estou pronta p me envolver...pq td passou...e estou limpa e pensando no seu nome...o nome do primeiro homem q amei...q coincidência louca...e daí q sei muito de vc...e tenho muito ainda a saber...

Pode...

Jura?