domingo, 15 de abril de 2012

Chegamos a um ponto da estrada em que achamos excitante fazer escolhas, e é exatamente aê que crescemos.







Acontece, sem você perceber. Ao menos comigo foi dessa forma, se bem que não valho como experiência, tenho a mania de não perceber o óbvio.



Recusando opções, escolhendo.

Nas primeiras vezes, eu estranhei, eu achei que era rancor, egoísmo, viagem, estratégia, achava que estava sem querer me blindando das pessoas, do convívio, negando festas, saídas, reuniões, cinemas. Bem depois, só bem depois percebi que crescer custa um tanto de paciência. Enxergar que você cresceu, transformou-se, amadureceu,na verdade, bem muita paciência. Até chegar o momento que enxergamos que até nossas contradições são coerentes. Lidar com o fato de que o gostar vira sentimento de respeito, desses que tudo e todos que a gente ama, ama-se para sempre, de muitas formas, mas segue amando.

Não é envelhecer, é refinar, filtrar toda e qualquer escolha. É não ter diplomacia com as recusas. É se importar mais com a qualidade do que está disponível do que com o que está sendo oferecido com toques comercialmente sedutores .

Tem um momento na vida que todo mundo escolhe coisas que as deixam mais felizes, escolhe viver e conviver mais com as pessoas que amamos e que nos amam também, da maneira como podem.


Tem uma hora na vida, que a gente cresce e pode ser criança pra sempre.

Eu cresci e escolhi ser da idade que tenho, escolhi os meeus amigos, a minha família, o meu namorado.

Eu amo essa eu-hoje.

Gratificante ver que todas as gavetas da minha vida podem ser abertas e fechadas sem emperrar.

Gratificante lidar com a minha recente escolha, o amor, desses que nem de longe eu imaginava que existisse, o amor que é o meu paraíso, meu parceiro, meu amigo, o cara que chegou pra separar o bem do mal,a escolha que veio com flor, com rock dos bons, a escolha que veio pra me fazer a melhor companhia, que representa hoje grande parte das minhas alternativas, que veio com vontade de ser feliz e é com toda a minha maturidade que eu o amo e é pra ele que eu decido ir todos os dias.


Bacana esse lance de fazer escolhas.