quarta-feira, 18 de abril de 2012

Segunda chance




Não importa que idade você tenha ou que momento da vida esteja passando – uma hora dessas você vai se defrontar com a questão da segunda chance. Talvez seja um amigo perguntando se vale a pena tentar de novo com aquela garota que tanto mal fez a ele. Ou você mesmo terá de decidir se um velho amor que reapareceu merece ou não ser revivido. De uma forma ou de outra, essa pergunta sempre se coloca.

Da minha parte, tenho a responder que não acredito mais em segunda chance. Já fui um crente fervoroso na volta do amor perdido – durante um tempo, essa crença foi o São Sebastião da minha vida – mas hoje vejo essa esperança como quimera e fantasia. Uma ilusão paralisante. Na melhor das hipóteses, acho a ressurreição da paixão é uma possibilidade remota.

O grande amor, o amor médio, o amorzinho: nenhum deles tende a dar certo na segunda temporada. Por mais que haja más intenções e bons sentimentos (a combinação mais gostosa do mundo), ou ainda que os parceiros nadem em aspirações sublimes, coisas repetidas têm vocação para dar errado. São como um vaso que uma vez quebrado nunca mais será o mesmo.

Comigo, o insucesso aconteceu com mulheres que, até hoje, me comovem só de vê-las passar na rua, só de olhar o avatar no Twitter. Não foi por falta de afeto, portanto, que as retomadas não deram certo. Em alguns casos, é verdade, houve insuficiência de desejo, de parte a parte. Quando se trata de sexo, a volta pode ser até melhor (as pessoas, afinal, aprendem), mas raramente deixa uma impressão emocional tão duradoura. Novidade, a gente queira ou não, faz diferença. E experiência não substitui envolvimento.

Tenho a sensação de que os amores requentados são como remendos. Elas não resistem ao tempo nem ao atrito. O que na primeira vez era novo agora tem um gosto de repetido. E há detritos que vão se acumulando a cada separação. Rancores, mágoas, coisas não ditas. Com o tempo, esse entulho cerca a cama, se espalha pelos corredores, invade a sala e a cozinha. A gente tropeça nele. Mesmo sem querer, passamos a procurar, nos olhos e nos gestos do outro, os primeiros sinais de esgotamento, que uma hora ou outra aparecem. Intuímos que é difícil evitar que um rio avance pelo caminho que já foi aberto.

Entre os amigos, consigo me lembrar de um único caso – vá lá, dois – em que a volta não foi apenas um desastre passageiro. O roteiro de quase todos os reatamentos que eu presenciei, ou dos quais ouvi falar, é parecido: pessoa carente ou perdida volta ao porto seguro de onde fora solenemente despachada ou estivera louca para zarpar. E de onde, passado algum tempo, vai querer velejar de novo, ou será expulsa novamente.

Essas tentativas tristes, que às vezes se repetem até o esgotamento, são na verdade os casos benignos. Há exemplos de pessoas que retornam sistematicamente para tipos mentirosos, agressivos ou quimicamente dependentes, com resultados dramáticos.

Vistas de fora, as apostas no videotape existencial parecem tíbias e frágeis, mas não é assim que as pessoas envolvidas percebem. Elas acham que estão voltando ao curso natural do seu destino. Pensam estar retomando o fio rompido da própria existência. Fazem força para acreditar que aquela escolha, desta vez, as fará felizes. Sentem-se românticas, se dizem românticas, mas, na verdade, estão sendo práticas. Depois de meia dúzia de fiascos afetivos, voltam para a zona de conforto (ou de conflito) semifelizes, com um rabo invisível espremido entre as pernas. Em geral descobrem, rapidamente, que voltar é fácil. Permanecer são outros quinhentos.

Por que voltamos, afinal?

Porque somos fracos, acho.

Melhor faríamos, eu acho, se déssemos a segunda chance a nós mesmos. A chance de iniciar do zero.Porque somos fracos, acho. Ao acabar um namoro ou um casamento ficamos sozinhos, temos medo. Para a maioria de nós é difícil construir relações duradouras. Quando uma coisa importante acaba, temos dificuldade em recomeçar. Estamos tomados por quem nos mandou embora. Ou estamos acostumados ao amor sem reservas do parceiro que mandamos andar. Nada que tenha essa intensidade é fácil de repor. As pessoas que aparecem não são capazes de preencher o vazio. É no meio dessa nuvem de dor e incerteza, que pode durar um tempo enorme, que ressurge o ex. E nós o abraçamos como salvação. Funciona para nos tirar do escuro, mas é um péssimo recomeço.

É uma delícia começar um novo amor e ter 90 dias de encantamento grátis. A descoberta, a magia, o ardor provocados pela paixão nova são insubstituíveis. Quando as coisas começam, há sempre a possibilidade de que desta vez seja maior, mais intenso, mais espetacular do que antes. Quem sabe agora é para sempre?

Claro que pode dar errado, quase sempre dá, mas a gente aprende e vive enquanto tenta. A gente recebe e dá, a gente povoa a nossa existência de referências, outras memórias, rostos, risos, pequenas reminiscências deliciosas, erotismos secretos que nos assaltam meses depois, anos depois, e nos dão aquela sensação deliciosa de ter vivido em plenitude, da melhor maneira que nos foi possível.

A vida é curta, potencialmente bela, melhor gastá-la com coragem, andando à procura de respostas verdadeiras, do que ficar, repetir, tentar de novo o mesmo caminho batido. Talvez uma vez, vá lá. Talvez uma segunda chance de reatar pontas perdidas para cada amor que merecer esse nome. Mas, se me perguntam, eu diria: não mais do que isso. Não mais esperanças paralisantes. Não para mim.

Nem pra mim!