segunda-feira, 23 de abril de 2012

O nosso caminho



Sabado, com os amigos, só existia você em todos que estavam presentes, rostos conhecidos, rostos desconhecidos e eu só via o seu , só ouvia a sua voz e só cantava pra você e só sentia o seu perfume, e só precisava de você ali, no meio dos meus, no meio da nicotina, do alcool, das risadas, dos microfones, no meio das pessoas que me amam e que eu amo tanto de volta.
Eu chorei tanto na frente deles, estranhos, de conhecidos. Tinha tanta dor dentro de mim. Senti-me triste e frustada, porque não adianta, o meu coração não vai parar de bater assim, só porque eu tô precisando de um tempo. E olha que eu tentei. Queria acreditar que  inventei essa história mirabolante, que idealizei um final feliz. Não funcionou.

Não deixei de pensar em você um minuto sequer nesses dias que passaram tão devagar, tanta saudade, tanto empenho, tantas tentativas. Para quem sempre espera ter mais forças - e sempre tem - parece que cheguei ao meu limite.

E foi por isso que hoje, mais uma vez, me faço essa pergunta:

Onde é o  meio do caminho?

Quanta verdade, sobriedade ou engano nos faz abrir mão do que se quer? Quanta tristeza será sentida pelo que nunca se terá? Quanta mágoa será produzida? Quanta culpa será atribuída ao outro? E a si mesmo?
Não quero de você  a solução para os meus problemas, quero o meu melhor amigo comigo. Quero construir com você o futuro com o qual eu tanto sonho, quero que possamos sentir mais amor do que dor. Quero que entenda os meus silêncios, quero que perceba que não é nada pessoal, quero que aceite o meu jeito irrequieto, irônico, quero as nossas risadas fora de hora, quero que me entupa de desnessários, quero a sua leveza, a sua voz baixa,vamos mergulhar fundo até perdermos o ar, sejamos estúpidos,tolos, humanos, previsíveis...

Continue mudando toda a minha vida e deixa eu mudar a sua...


Eu deixei você me encontrar. 

Então, fica até eu terminar de nos reinventar.

Bem aqui no meio do nosso caminho.