quinta-feira, 10 de maio de 2012

Quando os anjos se comprometem


Temos uma relação sem solução, uma grande questão que não pode ser resolvida, um impasse que “prestamente” não se desatará: você, impossibilitado de avançar, eu, incapaz de voltar. Essa limitação nos machucará. ( Isso que sentimos hoje ainda nem é dor);

Uma única palavra seria suficiente para evitar tamanho desgaste. Por não ter nome, isso que temos, corre o risco de jamais existir, arriscamos a nos perder no imenso abismo do nada, daquilo que nunca foi e que agora também não é. Eu só preciso de um nome para me segurar em você.

Só um nome para não te perder.

Ou um nome para me perder.





Os dragões